Como sempre com dúvidas


Eu bem que gostaria de saber,
Como lembrar do passado,
Viver o presente,
E sonhar com o futuro.

Se quando eu durmo,
Você me vem a cabeça,
E simplesmente esqueço de acorda.

© Lé0 Machado

Anúncios

Pensamentos


O erro nos faz pensar melhor em tudo que fazemos.
No entanto, as vezes pensamos tanto com medo de errar,
que acabamos não fazendo outra coisa, se não, errar novamente.

_____________________________________________________

Sinônimo de felicidade é ver ou fazer feliz,
aquele que mesmo sem saber,
ou por mais simples que pareça,
nos ensinou o humilde significado da vida,
Fazer feliz aqueles que amamos.

© Lé0 Machado

Eu sempre quis saber


Eu sempre quis saber,
Como fazer uma poesia,
E não ser repetitivo.

Como falar de amor,
Se não pensar em quem amamos?

Como falar de felicidade,
Sem mencionar seu nome?

Como esquecer a saudade,
Se vivo pensando em você?

Eu gostaria imensamente em saber,
Como fazer uma poesia,
Se eu não pensasse tanto em você.

‘’É tão fácil falar a verdade, dizer que te amo e estou com saudade’’

© Lé0 Machado

Muito Obrigado


Como falar da pessoa que eu mais ajudo,
Sem pedir se quer um tostão.

A pessoa que sempre quando precisou,
Mesmo sem pedir, eu estava lá.

A pessoa que mais fala de justiça, direitos e bom senso.
E que hoje, quando precisei de um simples favor,
Ela simplesmente diz:

– Não dá, tenho que fazer as minhas coisas.

Hoje, não sei falar outra coisa, se não, agradecer.

– Obrigado mãe, você me ensino a ficar em silêncio.

“O vitorioso na vida, não é o forte, e sim o flexível”

© Lé0 Machado

Encontro


Quando você me encontrar,
Não precisa falar nada.

Traz uma rosa nas mãos,
Oferece-me…

Olha no fundo dos meus olhos…
Faz um afago nos meus cabelos…

Eu tocarei o seu rosto
Com a ponta dos meus dedos,
Contornarei seus lábios.

E ali…

Parados…

Calados…

Chegaremos a uma simples conclusão:

A busca terminou.

© Blog A Casa do Zé Carlos

Um cachorro vira-lata


“Quase tudo em nossas vidas, podemos explicar com a Teoria dos seis graus de Separação

Hoje, como sempre, estávamos na pousada, aonde íamos todos os dias antes do serviço,
ver com o Gaúcho, se tinha algo para ser resolvido.

O Gaúcho por sua vez, relata uma reclamação do apto 17.

– Machado, o rapaz mau conseguiu dormir.
– Mas o que houve?
– O cachorro…
– Cachorro?

Segunda-feira, quando voltada da faculdade, passo por um posto de gasolina e vejo o carro de minha irmã estacionado. Ela estava dentro da conveniência.

Hoje, descubro que naquela noite fria, minha irmã adotou uma cachorra vira-lata, que estava no posto, em uma caixa de papelão nada confortável.

– Onde está?

Vou até o infrator e realmente escuto os tais barulhos. Quando avisto o bichano, logo penso…

– Meu deus, que vira lata.

Depois de algum tempo, sem perceber, estava  fazendo carinho nele. Mas como um homem macho, forte e não adorador de cachorro, pequeno e chorão, ia explicar o caso?

Parei e fomos trabalhar.

Algum tempo depois, chega minha irmã (revolucionária), toda feliz com a solução e fala:

– Trouxe um cão de Guarda!

O que me deixou realmente frustrado, é que o nome daquele pequeno animal, era Belinha.

– Belinha?

Belinha por sua vez, é o nome da cachorra que dei ainda filhote a minha namorada, no dia de seu aniversário.  No entanto, essa Belinha, não sabia que eu tinha uma namorada, que minha namorada tinha uma cachorra, e que a cachorra, também se chamava Belinha.

Porém, mesmo não me conhecendo e sem saber quem eu realmente era, ela me seguia em cada canto que ia, me lambia e chorava pedindo carinho.

Aquela enorme e ao mesmo tempo pequena vira-lata, não tinha a noção de que hoje, dia 14 de abril, dia em que comemoramos três anos e um mês de namoro, ela me fazia lembrar da minha namorada e de sua cachorra.

Ou seja, estamos ligados pelo terceiro grau de Separação;
A Saudade que sentimos por alguém.

– “Sai Belinha”

© Lé0 Machado

A Perceguição


Agora a pouco, voltando da faculdade de moto,
tremendo de frio e morrendo de fome.
Olho para baixo e vejo um vulto…
Quando olho de novo já passou.

Fico sem entender o que aconteceu, retorno a olhar,
e  novamente passa um vulto muito rápido por mim.
Me sinto mau, e acelero ainda mais tentando alcançar,
no entanto, quando chego perto, ele simplesmente desaparece.

De repente  passa voando ao meu lado,
eu já cansado disso, acelero ao máximo e quando olho pra frente…

BuMmMm…

Meu pai bate na porta e diz:

– Lé0 acorda, já são sete horas.

Assim, mais um longo dia começa, as seis e meia da manhã.

© Lé0 Machado