Chico Xavier – Uma história sem fim


“Cleide, não se preocupe,
Emmanuel falou que só vou desencarna,
quando todos brasileiros estiverem felizes”


Logo que entramos na sala do cinema,
peguei meu bloco de anotações e minha caneta,
a fim de anotar tudo que achasse interessante.

Depois de algum tempo percebi, que se fosse assim,
eu teria de anotar o filme inteiro.

Foi então que parei,
pois a mensagem mais importante,
só no final eu iria encontrar.

Chico Xavier…
Primeiro filme que vejo,
Que mesmo depois do fim,
Todos permanecem na sala.

“Xavier morreu no dia 30 de junho de 2002,
mesmo dia em que o Brasil foi pentacampeão mundial”

(ele tinha razão, neste dia, todos estávamos felizes).

© Lé0 Machado

A Ducha

Não sei dizer como e o porquê,
Mas sempre que precisamos dela, ela está La.
Sempre disposta, sempre disponível,
Sempre pronta para nos fazer feliz.

Meus dias sem ela,
Não seriam os mesmo,
Não seriam tão bons como sempre foram.

Lá de cima,
Ela faz milagre,
Faz o essencial para que nosso dia seja simplesmente inesquecível.

Todos sabemos o quanto ela é importante,
Sabemos também que ela faz o impossível,
Que ela não se nega, nem renega,
Faz tudo, sem falar se quer uma palavra.

Talvez um dia você saiba do que estou falando,
Mas enquanto esse dia não chega,
Aproveite, pois um dia ela pode não estar mais lá.

Agora me despeço,
confesso…
vou correndo disperso,
tomar uma Ducha,
assim, melhorando meu regresso.

© Lé0 Machado

(Esse texto foi feito ontem a pedidos de Betinho,
para anexar a um Roteiro que estamos fazendo).

Simplesmente Tudo.


Não ouse pensar que eu te amo,
Só porque eu escrevi alguns textos lindos falando sobre nós dois,
Ou então porque você é a pessoa mais importante que eu já conheci.

Não se atreva a pensar que só porque você é a inspiração da minha vida,
Que eu vá querer algo a mais, do que simplesmente passar o resto da vida ao seu lado.
Ou então que eu não pense em outra coisa, se não nós dois.

Acredite… 
Você não é nada nem ninguém,
É simplesmente TUDO,
Que eu sempre sonhei encontrar.

© Lé0 Machado

O Destino

Hoje, jogo essa garrafa ao mar,
Para que como nos filmes,
Você possa encontrar.

Espero realmente que encontre,
Pois nela, vou escrever tudo aquilo
Que você sempre quis escutar,
Mas que eu nunca tive a coragem de falar.

“Meu anjo…
Se por acaso um dia você encontrar essa garrafa,
Acredite, tudo pode acontecer.
 
Acredite também que nunca ninguém te amou; mais do que eu te amei.
Nunca ninguém te quis; mais do que eu te quis.
Nunca ninguém tento;  mais do que eu tentei.
Infelizmente, o destino não estava a nosso favor.

Mas saiba, eu sempre quis estar com você,
Viver em sua vida, viver o que chamamos de:
UM GRANDE AMOR.
Infelizmente, o destino não ajudou.

Nem por isso penses que eu desisti,
Apenas estou tentando de outras formas.

Enfim, hoje, entrego nossa história ao destino,
E espero encarecidamente que ele saiba
O que fazer…”

© Lé0 Machado

O Lenhador e a Raposa


Existiu um Lenhador que acordava às 6 da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, e só parava tarde da noite. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Todos os dias o lenhador ia trabalhar e deixava a raposa cuidando de seu filho.

Todas as noites ao retornar do trabalho, a raposa ficava feliz com sua chegada. Os vizinhos do Lenhador alertavam que a Raposa era um bicho, um animal selvagem; e portando, não era confiável. Quando ela sentisse fome comeria a criança. O Lenhador sempre retrucando com os vizinho falava que isso era uma grande bobagem. A raposa era sua amiga e jamais faria isso.

Os vizinhos insistiam:
– “Lenhador abra os olhos ! A Raposa vai comer seu filho.”
– “Quando sentir fome, comerá seu filho ! ”
Um dia o Lenhador muito exausto do trabalho e muito cansado desses comentários, ao chegar em casa viu a Raposa sorrindo como sempre e sua boca totalmente ensanguentada… O Lenhador suou frio e sem pensar duas vezes acertou o machado na cabeça da raposa…

Ao entrar no quarto desesperado, encontrou seu filho no berço dormindo tranquilamente e ao lado do berço uma cobra morta …

O Lenhador enterrou o Machado e a Raposa juntos.

Se você confia em alguém, não importa o que os outros pensem a respeito, siga sempre o seu caminho e não se deixe influenciar…

© Blog A Casa do Zé Carlos

Em último caso, Apele

                  

Ontem, após um dia muito trabalhado, eu chego em casa e resolvo comer um BOMBOM, peguei logo aquele amarelinho redondo, Serenata de Amor. Abri e degustei como nunca antes tinha feito, e o mais engraçado, era o que por surpresa tinha dentro do embrulho do BOMBOM, um verso super engraçado e Romântico, haha…

” Se você se apaixonou à primeira vista por uma mulher e não sabe o que fazer, manda flores.Na verdade, sempre que não souber o que fazer em relação a uma mulher, MANDE FLORES”.

© BomBom Serenata de Amor

Os Dez Mandamentos de Einstein


1.  Siga sua curiosidade
“Eu não tenho nenhum talento especial. Sou apenas apaixonadamente curioso”.
2.  Perseverança não tem preço
“Não é que eu seja tão inteligente, eu apenas fico com os problemas por mais tempo”.
3.  Tenha foco
“Qualquer homem que consiga dirigir de maneira segura enquanto beija uma linda garota está simplesmente não dando ao beijo a atenção que ele merece”.
4.  Imaginação é poder
“Imaginação é tudo. É a prévia das próximas atrações da vida. Imaginação é mais importante que conhecimento”.
5.  Não tenha medo de errar
“Uma pessoa que nunca cometeu um erro nunca tentou algo novo”.
6.  Viva o momento
“Eu nunca penso sobre o futuro – ele vem cedo”.
7.  Crie Valor
“Não se esforce para ser um sucesso, se esforce para ser valorizado”.
8.  Não seja insano
“Insanidade: fazer as mesmas coisas várias e várias vezes e esperar resultados diferentes”.
9.  Conhecimento vem da experiência
“Informação não é conhecimento. A única fonte do conhecimento é a experiência”.
10.  Aprenda as regras e jogue melhor
“Você tem que aprender as regras do jogo. E então você tem que jogar melhor do que todos”.

(repost do blog Resultadista – A facilidade nos fascina. A dificuldade nos distingue).

© Resultadista